Jacaré

Posted by:  :  Category: Jacarés


O jacaré é um réptil carnívoro da família Alligatoridae pertencente à ordem Crocodylia. Trata-se de um habilidoso nadador que consegue também ser muito rápido em terra firme quando isto se faz necessário. Estes animais descendem dos primeiros répteis que habitaram a terra (há 230 milhões de anos), portanto são parentes dos dinossauros, animais pré-históricos.

Os jacarés são animais muito semelhantes aos crocodilos dos quais se diferenciam por ter membranas entre os dedos das patas traseiras e por ter uma cabeça mais curta e larga. Outra diferença entre estes animais é o fato do jacaré possuir o quarto dente canino que se encaixa na mandíbula superior, enquanto no crocodilo este mesmo dente fica exposto quando o crocodilo fecha a boca. Ao nascer o comprimento do jacaré é de 30 cm, chegando, na maturidade, a 1,80m (no caso específico do jacaré-açú, seu comprimento pode chegar a 6m). Na idade adulta o jacaré pode atingir até 300 kg e sua idade varia entre 80 e 100 anos.

No continente americano há diversas espécies, no Brasil existem três tipos espalhados em diversas regiões, são eles: jacaré-negro ou jacaré-do-pantanal, jacaré-açú ou jacaré-gigante, jacaré-do-papo-amarelo ou ururau, jacaré-coroa ou paguá e jacaré-coroa ou caimão-de-cara-lisa.

Seus hábitos consistem em se agrupar durante o dia a fim de tomarem sol e durante a noite sair para caçar. A caçada é feita geralmente dentro da água. Sua dieta é variada, alimentam-se de peixes, moluscos, aves e de mamíferos pequenos encontrados nas margens dos rios. O jacaré possui 80 dentes, mas só os utiliza quando a presa é muito grande (sacodindo-a até fazê-la em pedaços), quando a presa é pequena, este feroz animal apenas a engole. O jacaré necessita de cerca de 10% do seu peso em alimentos ao dia. Para se locomoverem os jacarés usam a cauda movendo-a de maneira ondulatória. Durante o nado os olhos e as narinas deste animal ficam acima da superfície da água.

Para se reproduzirem, os jacarés se acasalam na água. Em seguida a fêmea faz um ninho na vegetação da beira de um lago, onde coloca seus ovos (40 a 50 postos uma vez por ano) que eclodirão após um mês de incubação (feita pelo calor do sol e pela fermentação química dos vegetais que compõe o ninho). Uma característica interessante é o fato da fêmea do jacaré, ao contrário das outras espécies de répteis, ter o hábito de proteger o ninho e seus filhotes.

Infelizmente o jacaré está na lista dos animais em extinção, visto que muitas pessoas apreciam o sabor de sua carne e seu couro é utilizado para fabricação de bolsas, carteiras e outros produtos industrializados.

Por Thais Pacievitch
http://www.infoescola.com

Jacaré-Açu – Animal da Fauna Brasileira

Posted by:  :  Category: Animais em extinção, Jacarés

NOME COMUM: Jacaré-Açu
OUTROS NOMES: Caimão – preto, jacaré – aruará, jacaré – açu ou jacaré – gigante.
CLASSE: Reptilia
ORDEM: Crocodylia
FAMÍLIA: Alligatoridae
NOME CIENTÍFICO: Melanosuchus niger
NOME EM INGLÊS: Black Caiman
NOME EM ESPANHOL: Caimán Negro
COMPRIMENTO: Atinge até 6 metros de comprimento.
COMPRIMENTO AO NASCER: 30 cm
PESO: até 300 quilos de peso
OVOS: 40 a 50 ovos postos uma vez por ano
TEMPO DE VIDA: vive entre 80 e 100 anos

CARACTERÍSTICAS: Focinho grande e curto. 4º Dente não visível com a boca fechada. Placas ósseas na barriga.
Distribuição geográfica e habitat: Vive nos rios, igarapés e lagoas da Amazônia.
HÁBITO ALIMENTARES: É um animal carnívoro, se alimenta de quase todos os animais da floresta, desde peixes até aves e mamíferos. Alimentam-se inclusive de piranhas
HABITAT: Habita os rios e lagos da bacia amazônica
REPRODUÇÃO: A fêmea faz um ninho na vegetação na beira do lago, onde coloca seus ovos que após 01 mês de incubação, eclodem. Ao contrário das maiorias dos répteis, as fêmeas de jacaré costumam proteger os ninhos e filhotes. O acasalamento dá-se na água, mas a fêmea bota os ovos na margem.

O jacaré açu também é conhecido como jacaré preto, é o maior dos jacarés sul-americanos, podendo chegar a medir 6 metros de comprimento. Hoje em dia é muito raro encontrá-lo, já que é muito caçado para uso de sua pele. Fazendeiros não gostam de jacarés açus por perto pois representam algum perigo para as pessoas e suas criações, e normalmente os matam. Tem um couro muito cobiçado, é uma carne saborosa, apreciada por muitos moradores da região. Por isso esta na lista de animais ameaçados de Extinção.

Nadam com o movimento ondulante da cauda. Olhos e narinas são salientes, permitindo-lhes ficar semi-submersos como um submarino.

O jacaré açu deve temer mais seus inimigos quando ainda é jovem. Se não é comido no ovo por carnívoros ou grandes cobras, corre o risco de ser devorado, assim que nasce, pela jibóia ou por outros jacarés adultos.

Lucia Helena Salvetti De Cicco
Diretora de Conteúdo e Editora Chefe

Fonte: www.saudeanimal.com.br


Jacaré-do-pantanal

Posted by:  :  Category: Jacarés

O jacaré-do-pantanal (Caimam crocodilus yacare) alimenta-se de peixes e outros vertebrados aquáticos, e também de invertebrados como caramujos e insetos. Pode atingir até 3 metros.

Saiba mais sobre um grande patrimônio ecológico – o Pantanal. Ele é um ecossistema habitado por inúmeras espécies de mamíferos, répteis, aves e peixes, tem uma vegetação exuberante e é traduzido em movimento de formas, cores e sons, sendo um dos mais belos espetáculos da Terra. A fauna é bastante rica e diversificada.

Dentre o gigantesco número de espécies que habitam este ecossistema, destaca-se o jacaré-do-pantanal (Caimam crocodilus yacare). Ele vive desde o norte da Argentina até o sul da bacia Amazônica, mas ocorre principalmente no Pantanal.

Este réptil alimenta-se de peixes e outros vertebrados aquáticos, e também de invertebrados como caramujos e insetos. Pode atingir até 3 metros. Nidifica (põe ovos) construindo um ninho com folhas e fragmentos de plantas, nas bordas de capões de cerradão e mata, ou sobre tapetes de vegetação flutuantes. Desovam de 20 a 30 ovos em uma câmara no interior do ninho. O período de nidificação coincide com as enchentes (janeiro a março).

Os jacarés são ecologicamente importantes porque fazem o controle biológico de outras espécies animais ao se alimentarem daqueles indivíduos mais fracos, velhos e doentes, que não conseguem escapar de seu ataque. Também controlam a população de insetos e dos gastrópodos (caramujos) transmissores de doenças como a esquistossomose (barriga-d’água). Suas fezes servem de alimento a peixes e a outros seres vivos aquáticos.

Fica bem claro que esta espécie interage de uma forma intensa com todo o meio e qualquer degradação que haja pode causar um desequilíbrio, muitas vezes irreversível no ambiente e à espécie.

Vale lembrar que o jacaré – do -pantanal já esteve quase extinto e que, com uma campanha efetiva de proteção (campanhas e educação ambiental), a situação pode ser revertida. Hoje a população de jacarés é normal e todo o meio está equilibrado.

Fonte: www.ambientebrasil.com.br


JACARÉ-DE-PAPO-AMARELO

Posted by:  :  Category: Jacarés

Ordem: Crocodylia
Família: Alligatoridae
Nome popular: Jacaré-de-papo-amarelo
Nome em inglês: Broad-snouted caiman
Nome científico: Caiman latirostris
Distribuição geográfica: Leste do Brasil (do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul), Uruguai, norte e nordeste da Argentina, Paraguai e leste da Bolívia
Habitat: Brejos, mangues, lagoas, riachos e rios
Hábitos alimentares: Carnívoro
Reprodução: Desova entre 17 e 50 ovos por postura, que eclodem após 70 a 80 dias de incubação
Período de vida: Aproximadamente 50 anos

Os jacarés, juntamente com seus primos crocodilos e aligátores, surgiram na face da Terra há pelo menos 200 milhões de anos. Contemporâneos dos grandes dinossauros, também atingiram tamanhos gigantescos. O Purussaurus brasiliensis, um jacaré que viveu a 20 milhões de anos atrás, na região onde hoje fica a Bacia Amazônica, atingia cerca de 14 metros de comprimento, rivalizando em tamanho com o famoso Tyranossaurus rex.

Os jacarés sempre mostraram-se muito bem adaptados às condições de vida do planeta, sobrevivendo, inclusive, aos fatores que determinaram a extinção dos dinossauros. Apenas o homem, através da caça excessiva, poluição das águas e desmatamento, conseguiu colocar em risco a sobrevivência desses animais. Esse é o caso do jacaré-de-papo-amarelo (Caiman latirostris) que habita brejos, lagos, pântanos e rios desde o litoral do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul e bacias dos rios São Francisco, Paraná, Paraguai e Paraíba.

Apesar da ampla distribuição geográfica, o jacaré-do-papo-amarelo já esteve ameaçado de extinção em virtude da poluição de seu habitat e da caça predatória para a retirada do couro e consumo da carne. Com a proibição da caça a espécie se recuperou e não faz mais parte da lista de animais ameaçados de extinção. O jacaré-do-papo amarelo, juntamente com os outros crocodilianos, se destaca entre os répteis por apresentar cuidados com a sua prole.

O macho forma uma harém e após a cópula, que ocorre no verão, a fêmea constrói o ninho próximo à água usando folhas secas e fragmentos de plantas, cobrindo-o com folhas e areia. Em média são postos de 25 a 30 ovos, e nesta época, a fêmea se torna mais agressiva permanecendo perto do ninho para evitar o ataque de predadores como o lagarto teiú e o quati. O sol e a fermentação dos vegetais no ninho proporcionam o calor necessário à incubação que varia de 70 a 90 dias.

Próximo à eclosão é possível ouvir a vocalização dos filhotes, ainda dentro dos ovos, chamando a mãe. Ela então, desmancha o ninho usando os membros anteriores e posteriores, e o focinho. Caso algum filhote tenha dificuldade ao nascer, a mãe o ajuda e posteriormente ela carrega cada um na boca até a água, cuidadosamente. O macho cuida dos recém-nascidos que já estão na água e ambos os pais permanecem próximos aos filhotes, protegendo-os, ainda por um período de tempo.

Apesar de toda essa proteção, os filhotes precisam se alimentar sozinhos e quando pequenos comem insetos e invertebrados. Os adultos atingem até 2,5 metros de comprimento e se alimentam de caramujos, peixes, aves e pequenos mamíferos. Como todos os crocodilianos, tem uma vida longa e, provavelmente, pode ultrapassar os 50 anos de idade. Ao contrário dos mamíferos, quanto mais velho, torna-se maior e mais forte.

Embora os jacarés assustem as pessoas pelo seu tamanho e aspecto pré-histórico, são animais extremamente importantes para o equilíbrio ecológico, pois agem na cadeia alimentar controlando as espécies que fazem parte da sua dieta, além de controlarem a população dos caramujos transmissores de doenças, como a esquistossomose (barriga d’ água). Além disso, suas fezes servem de alimento a peixes e a outros seres aquáticos.

Fundação Parque Zoológico de São Paulo
Texto de Flávio de Barros Molina e Luana Paola
Atualizado por Cybele Sabino Lisboa

Fonte: www.zoologico.sp.gov.br


?>