Piolho

Posted by:  :  Category: Parasitas

Um parasita que pode trazer doenças.

Introdução
Piolhos são parasitas que se hospedam nos seres humanos de duas formas: no couro cabeludo e no corpo. O piolho que parasita o couro cabeludo é conhecido cientificamente como Pediculus capitis.Este tipo de piolho produz irritações no couro cabeludo devido as reação de suas picadas, uma vez que, estas, provocam uma dermatite causada pela reação à saliva deste parasita tão indesejável e incômodo.

Problemas de saúde
Esta irritação, leva o hospedeiro a coçar a cabeça intensamente, provocando pequenas lesões no couro cabeludo, estas, podem facilitar o acesso de germes e bactérias dentro da corrente sanguínea, uma vez que, a cabeça é ricamente vascularizada.

O Pediculus humanus corporis, pode viver no corpo e nas roupas. Este inseto normalmente deposita seus ovos nas roupas. Prefere viver em climas mais frios, porém, pode ser encontrado em climas mais temperados.

Sua picada também causa grande irritação a pele, pois a reação a sua saliva costuma desencadear uma dermatite papulosa e bastante irritante.

Há também o Pthyrius inguinalis, conhecido como “chato”. Estes minúsculos insetos utilizam seu aparelho bucal picador sugador para se alimentar com o sangue de seu hospedeiro. Sua localização se dá nos pelos da região pubiana, axilas, tórax, etc. Atualmente eles não são tão freqüentes devido à evolução dos hábitos de higiene pessoal.

Para a pediculose do corpo, o tratamento consiste em manter a higiene pessoal, deixar as roupas de molho em água fria contendo desinfetante bactericida e fungicida por pelo menos duas horas. Uma outra opção é lavar com água quente as peças de roupa de toda família, inclusive, cobertores, edredons e lençóis, contudo, esta opção pode ser substituída por passar a roupa com ferro quente em ambos os lados.

O tratamento para Pediculus capitis requer mais cautela por estar localizado na cabeça. Neste caso, é apropriado lavar diariamente a cabeça da criança ou do adulto infectado, passar diariamente um pente fino e retirar as lêndeas. De forma geral, é indicado dar preferência a métodos que não empreguem piolhicidas.

Fonte: www.todabiologia.com


?>